Imprensa

Peugeot começa a produzir novo hatch 208 em Porto Real (RJ)

Webasto

30 de January de 2013

A Peugeot iniciou nesta quarta-feira (30), em Porto Real (RJ), a produção do hatch 208, que promete ser um marco para a filial brasileira. Apresentado no Brasil durante o último Salão de São Paulo, em outubro passado, o modelo chega às lojas em abril e faz parte do plano do grupo PSA Peugeot Citroën para recuperar as perdas de 2012, quando as vendas caíram 16%.

Na cerimônia de lançamento da produção, o presidente da PSA no Brasil e na América Latina, Carlos Gomes, disse que neste ano serão produzidas 55 mil unidades do 208 para a América Latina e, até o fim do ano, os pontos de venda da Peugeot no Brasil crescerão de 171 para 181, principalmente no Nordeste, mercado em crescimento.

Somente em 20 de março o grupo pretende anunciar o preço do carro e quantas unidades serão inicialmente colocadas à venda, isso porque, segundo Frédéric Drouin, diretor-geral da marca no país, ainda há “indefinição” sobre a situação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) -o desconto para os carros com motor até 2.0 começou a cair gradualmente neste mês e termina em julho.

Mudanças no carro para o Brasil
A fábrica de Porto Real é a única fora da Europa a produzir e lançar o 208, a partir de um investimento de R$ 800 milhões. Por conta do lançamento, a linha de montagem foi incrementada com 83 robôs, segundo Gomes.

O carro, que já roda na Europa há um ano, sofreu modificações para o Brasil. “O design da frente é mais alto que o modelo europeu para enfrentar lombadas. A suspensão também foi adaptada e a grade dianteira é maior para dar mais condições num país tropical. É um carro no gosto do brasileiro”, descreveu Frédéric Drouin, diretor-geral da marca no país.

O público-alvo do 208, segundo a Peugeot, são jovens de 25 a 35 anos. O grupo admitiu que o modelo tem pelo menos cinco grandes concorrentes – sem citá-los. Como diferenciais, Drouin aponta teto panorâmico, central multimídia touch screen, detalhe em LED na dianteira e um volante menor que o usual.

O 208 não vai substituir o 207, que continuará como o modelo de entrada no portfólio da Peugeot, ressaltou o presidente da montadora no Brasil.

Queda nas vendas
“As vendas do grupo no ano passado grupo caíram 16% no Brasil, principalmente para a parada para preparar capacitário”, disse Carlos Gomes, referindo-se à pausa para adaptar a linha em Porto Real para a produção do 208, quando 10 mil carros deixaram de ser produzidos, segundo ele. “2012 foi um ano de transição, um ano de investimentos e lançamentos.”

O lançamento industrial do carro teve solenidade junto à linha de montagem com a presença do presidente mundial do grupo, Philippe Varin, do presidente do Conselho de Administração, Thierry Peugeot e do governador do RJ Sérgio Cabral. Os presentes fizeram um minuto de silêncio pelas vítimas do incêndio numa boate de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, no domingo (27).

Cabral entrou no recinto dirigindo um 208 branco, tendo Varin no banco do carona. Vascaíno, o governador foi alvo de uma simpática pegadinha: recebeu das mãos de operários, acompanhados do presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, a camisa 10 do rubro-negro. “O que não se faz pelo governo do estado”, brincou ele.

Além do 208, a fábrica de Porto Real produz atualmente os modelos 207, que continuará sendo o de entrada no portfólio da Peugeot, 207 SW, 207 Passion e a picape Hoggar, além dos Citroën C3, Xsara Picasso, C3 Aircross e C3 Picasso. Também são produzidos motores 1.4 litro e 1.6 litro flex.

Fonte: Globo